A subida brutal das rendas, que resultou na expulsão massiva de trabalhadores dos centros de Lisboa e do Porto para cada vez mais longe, os salários de miséria e os preços absurdos dos passes — que chegavam a 30% do salário mínimo —, geraram uma situação em que um número crescente de trabalhadores ficava incapaz de procurar trabalho fora da sua localidade. Os capitalistas começaram a ter um problema de acesso a uma mercadoria indispensável: a força de trabalho.

O que são os novos passes sociais?

Além de uma medida eleitoralista, os passes são uma resposta às necessidades do capital — facilitando-lhe o acesso a força de trabalho — e uma renda para empresas privadas de transportes. O Estado pagará todos os meses a diferença de preços entre os velhos e os novos passes, e como estes novos contratos se baseiam numa estimativa do número de passageiros, pagará sempre em excesso. O privado terá os lucros intocados, senão aumentados, e assegurados pelo Estado.

Mantendo a mercantilização dos transportes, esta medida dá ainda aos capitalistas poder sobre a própria existência do acordo, o que significa que a sustentabilidade dos novos passes é muito duvidosa. Luís Cabaço Martins, administrador da Barraqueiro, já o deixou claro ao ameaçar que o acordo estaria em risco caso o Estado não compensasse as empresas ou pagasse a “más horas”. E como típico patrão, ainda se queixou de dificuldades em “pagar salários e combustíveis” apesar dos enormes lucros da Barraqueiro.

Quem paga por esta medida?

A redução do preço dos passes aumenta a mobilidade dos trabalhadores e a utilização dos transportes públicos. Em abstracto, isto é muito positivo. Mas na realidade concreta, com uma rede de transportes degradada e insuficiente, estamos a falar da aceleração da degradação, da superlotação, do caos.

Com 100 mil novos utentes previstos para este ano e os 10 mil novos cartões pedidos em Lisboa só entre 25 e 28 de Março, a crise é iminente.

Os primeiros efeitos já se sentem: a Transtejo Soflusa, com mais passageiros e sem aumento da frota ou contratação de trabalhadores, tem agora os barcos para o Barreiro a iniciar a viagem somente após atingir a lotação total, independentemente do horário! Na Fertagus, onde houve mais 500 mil validações de títulos em Abril deste ano do que em Abril do ano passado, retiraram-se bancos das carruagens para caberem mais passageiros de pé. Todas as “soluções” dos capitalistas obedecem a esta regra: não investir nem aumentar os custos de manutenção. Os trabalhadores são a última preocupação, até porque não têm alternativa senão aceitar o que houver.

Como se não bastasse tudo isto, a medida é um forte golpe nas contas das empresas públicas de transportes. Estas empresas já estavam numa situação de subfinanciamento, mas agora, com a canalização do investimento para os privados e a redução dos preços dos passes, estão numa situação fatal. Ainda mais porque pagam toda a manutenção, mesmo quando o lucro vai para empresas privadas — como no caso da Refer (pública), que faz a manutenção das infraestruturas utilizadas pela Fertagus (privada).

Por fim, há o problema das dívidas que estas empresas públicas contraem para funcionar, com contratos swap e juros absurdos que são só outro mecanismo para encher os bolsos do capital financeiro. Não é difícil entender que se está a preparar a privatização de tudo o que resta.

No fim das contas, a classe trabalhadora pagará muito caro por estes passes.

A luta é pela nacionalização sob controlo dos trabalhadores!

As declarações celebrativas do BE e do PCP sobre este acordo mantêm a máscara de esquerda de um governo do capital. Estas burocracias não só ignoram a situação dos trabalhadores e do investimento público, como ainda competem inutilmente pelo mérito da medida. É o PS, depois de anos de apoio praticamente acrítico da esquerda, quem fica com todo o mérito.

O que se exige da esquerda é um plano de luta para a expropriação e nacionalização dos transportes sob controlo de organizações de trabalhadores e utentes. Só assim se põe fim aos lucros especulativos do privado e se consegue um investimento massivo no sector para alcançar de facto o direito à mobilidade, ou seja, transportes gratuitos e uma rede que cubra as necessidades de todas as localidades e regiões do interior. A planificação centralizada a nível nacional possibilitaria ainda uma rede de transportes realmente ecológica, com investimento na transição de todo o sector para energias limpas. Para tudo isto, claro, é indispensável a nacionalização da banca — anulando as dívidas das empresas públicas — e garantindo que a igualmente indispensável taxação dos grandes lucros não resulta na fuga de capitais.

Se dentro da lógica capitalista não há solução, está na hora de ultrapassar esta lógica.

Sindicato de Estudantes

Os cookies facilitam o fornecimento dos nossos serviços. Ao usares estes serviços, estás a permitir-nos usar cookies.
Mais Informações Ok